quarta-feira, 31 de maio de 2006

A mais bela bandeira

Vi ontem, colada no muro exterior da prisão de Setúbal, junto à janela gradeada de uma cela, a bandeira nacional. Que braços reclusos afixaram aquele grito? Que homem encarcerado arriscou tanto pelo prazer de tão inusitada manifestação de patriotismo?

A imagem guiou-me o pensamento a outros presos e prisões. Escuto a voz de um antifascista - longos anos encarcerado por lutar pela liberdade -, evocando esses tempos tenebrosos: “Sabíamos sempre se o Benfica estava a ganhar pelas reacções dos carcereiros”.

Penso depois que nos livros de Álvaro Cunhal, “A Estrela de Seis Pontas” e José Casanova, “ O Caminho das Aves”, os reclusos de delito comum são tratados com dignidade e respeito, a que não será alheia a convicção comunista de que é possível transformar para melhor o ser humano. Retorno à bandeira e acredito que aquela genuína manifestação será seguida por outras. Panos exigindo melhores condições para os presos e o fim das penas degradantes e cruéis; tratamento digno para os familiares dos reclusos; trabalho para todos; enfim, tudo quanto permitisse recuperar os homens e mulheres que por circunstâncias diversas se tornaram marginais.
Hoje de manhã olhei a parede, a janela, as grades. Pude pressentir a miséria a agravar o encarceramento. Mas da bandeira nem rasto. Ou talvez sim: porque a imagem não me sai da cabeça e o gesto do anónimo prevaricador fez-me bem ao coração.

3 comentários:

GR disse...

Penso que a bandeira, saída das grades de uma prisão, tem outro simbolismo ou várias leituras! Por tal maneira ela já não estar lá. Há sempre alguém com mais audácia, para a lá ter colocado! O respeito com que os presos são tratados, é na realidade pouco. Daí muitos reclusos serem tão infelizes e revoltados. A sua reabilitação é pouca ou quase nula. Temos (os que estão cá fora) mais respeito pelos presos que, o governo ou até os guardas prisionais. Infelizmente!
Tanto que podiam fazer! Dignidade têm eles e nós, o respeito que nos merecem. Pois se errar é humano, há sempre outra oportunidade. Que lhe seja dada! (não penso assim para todos os reclusos).
Porém a nossa bandeira, pedida por alguém para ser exposta nas casas, ruas, camisolas, assentos dos bancos dos carros!
Qual a Causa?
O futebol não é uma Causa, é um jogo, um passatempo, uma brincadeira que dá milhões de euros, para muito poucos.
A bandeira símbolo de um país, deve ser utilizada ou oficialmente, ou então por uma Causa, com respeito! “Nós” há dois anos que andamos a colocar bandeiras, confeccionadas na China, esquecendo-se (a China) que apesar de sermos um pais onde a taxa de álcool é elevada, não tem cântaros, mas sim Quinas. Até já vi bandeiras em casas de banho de alguns cafés! Incrível!
Deste modo, banaliza-se, desrespeita-se a bandeira, a nossa Bandeira Nacional!

Pedro,
Fazes sempre textos lindíssimos!

Espero que amanhã o Dia Mundial da Criança, seja um dia muito feliz e que corra tudo bem!

Bjs,

GR

Vitor Nogueira disse...

«Pois é! Na outra leva das bandeiras, em período eleitoral, no último andar do cimo da encosta onde moro, hasteei uma bandeira, a da CDU, azul e branca, gesto que mais ninguém seguiu, nem mesmo os camaradas a quem sugeri que o fizessem. Mas no caso da cadeia de Setúbal, talvez achem mesmo que preso não é gente ou patriota. Sobretudo se o preso não tiver boa aposentadoria.
E sobre a falta da bandeira, eu já conhecia aquela das manifes em Lxa após o fim da 2ª guerra mundial, em que a bandeira da URSS era simplesmente representada por um pau. Mas não sabia outra: que uns gritavam viva a Inglaterra/França/América. E em tempo de servidão, a polícia carregou a malhar forte e feio em quem só podia gritar ... Viva o Benfica! Se fosse hoje ainda haveria a alternativa de gritar: vivó Pinto da Costa!»



Saudações

Victor Nogueira

a.castro disse...

Também me fez bem ao coração saber do gesto do anónimo prevaricador. Que venham cá ao Norte muitos prevaricadores como esse. Os edifícios e até alguns automóveis precisavam de ser limpos...