terça-feira, 16 de maio de 2006

A BANDEIRA COMUNISTA



O POEMA
Foi como se não bastasse
tudo quanto nos fizeram
como se não lhes chegasse
todo o sangue que beberam
como se o ódio fartasse
apenas os que sofreram
como se a luta de classe
não fosse dos que a moveram.
Foi como se as mãos partidas
ou as unhas arrancadas
fossem outras tantas vidas
outra vez incendiadas.

À voz de anticomunista
o patrão surgiu de novo
e com a miséria à vista
tentou dividir o povo.
E falou à multidão
tal como estava previsto
usando sem ter razão a
falsa ideia de Cristo.

Pois quando o povo é cristão
também luta a nosso lado
nós repartimos o pão
não temos o pão guardado.
Por isso quando os burgueses
nos quiserem destruir
encontram os portugueses
que souberam resistir.

E a cada novo assalto
cada escalada fascista
subirá sempre mais alto
a bandeira comunista.
ARY DOS SANTOS

2 comentários:

GR disse...

Com as palavras fortalecesse a Luta!

"ser poeta é escolher as palavras que o povo merece".
“Ary dos Santos”

GR

zoltrix disse...

Ah bom, agora já sei por que se leu por aqui o Makarenko!
ArY! Que lindo este post tão simples...!
Agora tb já sei de quem é este blogue e vão daqui os meus parabéns pela luta, pela força e determinação! Que nunca faltem!
Um abraço