sexta-feira, 4 de agosto de 2006

O plano criminoso do facínora Bush

Em Maio de 2004, os criminosos de Washington, liderados por Bush, revelaram publicamente um enorme relatório de 454 páginas destinado a derrubar o governo cubano.
No dia 10 de Julho de 2006, insatisfeito com os resultados entretanto obtidos, Bush aprovou um novo relatório com 93 páginas, dirigido pela presidente da CAFC (Commission for Assistance to a Free Cuba), e actual secretária de Estado, a cruel Condolezza Rice.
No plano, que visa subverter as instituições cubanas e onde se prevê o prazo de 18 meses para provocar em Cuba um golpe de Estado, trabalharam cerca de 100 pessoas pertencentes a 17 departamentos e agências federais.
Contendo sete capítulos, este plano dispõe de um orçamento total de 80 milhões de dólares para 2007 e 2008. Estes fundos são repartidos da forma seguinte:
a) 31 milhões de dólares para financiar a oposição interna; b) 10 milhões de dólares para actividades de pressão nas universidades; c) 24 milhões de dólares para alargar a propaganda contra a Ilha; d) 15 milhões de dólares para levar a comunidade internacional a aderir ao plano de ocupação de Cuba.

Além destas verbas, o relatório prevê um financiamento adicional de, pelo menos, 20 milhões de dólares anuais “até que a ditadura cesse de existir”. Este mafioso plano contém ainda um anexo secreto relativo aos meios militares e paramilitares adstritos ao objectivo de destruir a revolução cubana. Sabendo-se que Bush tem patrocinado o terrorismo internacional, de que é expoente, na versão anticubana, o canalha Posada Carrilles, imagine-se a quanto não ascenderá o montante investido por estes canalhas.
Não admira pois que Ricardo Alarcón, presidente da Assembleia nacional cubana tenha avisado de forma claro os traidores: se aceitarem conspirar com Washington, recebendo os respectivos emolumentos para trair a pátria, receberão as devidas consequências.

4 comentários:

GR disse...

Durante cinquenta anos, o povo cubano aprendeu a defender-se, contra o imperialismo americano. Bush e o seu governo facínora, cego e acéfalo, sabem que será muito difícil derrubar Cuba. Fidel Castro é necessário, respeitado e estimado pelo povo.
Fidel, muito tem para dar, lutar e governar o país que, ajudou a libertar do jugo da ditadura fascista pró-americana de Baptista. Os traidores são muitos, mas o Governo e povo cubano através de todos estes anos, aprenderam com o seu Comandante Fidel Castro, a frase que pensando nela a sentem no coração,
Pátria ou morte!
Cuba Vencerá!

Porque não esquecemos os heróis, vítimas das atrocidades do governo americano.

A minha solidariedade para com os 5 cubanos que, continuam injustamente presos em condições muito difíceis, nos EUA desde 16 de Julho de 1998

René González Sehwerert
Antonio Guerrero Rodríguez
Fernando González Llort
Gerardo Hérnandez Nordelo
Ramón Labañino Salazar

GR

Maria disse...

Como é que os EEUU, que mantêm o bloqueio a Cuba há mais de 40 anos, vem agora, na voz da Condolezza Rice, dizer que estão dispostos a prestar "ajuda Humanitária" e etc. e etc. se os cubanos decidirem por "eleições livres"? Se rá que isto não é considerado INGERÊNCIA na vida interna de outros países?
Estes tipos não têm mesmo Vergonha. Ah, como lhes dói saberem que o povo cubano é soberano e tem capacidade para decidir do seu futuro. Ah, como lhes dói Fidel continuar vivo.
Viva Fidel

Dijambura disse...

Os maiores terroristas do mundo não podem travar a liberdade e a luta deste povo estratega e lutador! Nem com um bloqueio económico foram capazes! Eram precisos mais homens como Fidel para enfrentar o imperialismo impiedoso dos EUA!Viva Cuba! Viva Fidel!Viva a Revolução!

Hugo disse...

Noticias como esta vindas dos EUA não me surpreendem!

A obsessão americana em matar El Comandante Fidel e acabar com o regime cubano é algo que já não tentam esconder, afinal este macabro objectivo já tem perto de 50 anos!

Choca-me, no entanto, a passividade de toda a restante comunidade mundial (com excepção feita a alguns países), que assistem a esta declaração de guerra como de uma troca de galhardetes se trata-se!

A hipocrisia governa a terra. Eles (EUA e seus carneiros amestrados) sancionam a Palestina, Cuba, Venezuela, Bolívia, ou seja, todo e qualquer pais que não se regam pelos grandes pilares da sua “pseudo-democracia”.

Aliás estes países na opinião dos dirigentes Americanos só têm duas hipóteses, ou mudam pela força, ou pela força mudam!

Maldita mania de pensar que o diferente ao nosso é o errado!