quinta-feira, 17 de agosto de 2006

Censores

Nos debates assiste-se a uma tendência miserável: em vez de se esgrimir argumentos, ridiculariza-se a posição de quem pensa diferente para se menorizar o adversário. Fica assim dispensado de fundamentar o que pensa quem recorre a comportamento tão miserável, provocando o riso e a adesão alarve de incautos e apaniguados.
Como assinalou o Prof. José Gil, “O riso obtido, explorando a esperteza estúpida dos outros, revela um traço típico do burgesso português: é que, para ele, há sempre um burgesso mais burgesso do que ele. "
Esta é, no fundamental, a substância do “politicamente correcto”. Argumentar para quê? O que interessa é o ataque pessoal devidamente travestido de olhar irónico (tão cultos se apresentam …) sobre todos os assuntos com que não concordem efectivamente ou por encomenda de quem manda.
Estes censores pretendem matar assim a possibilidade de afirmação alternativa de ideias, projectos ou ideologias. Meninos bem comportados, alguns com etiqueta de esquerda a condizer (ai como se aborrecem com o capitalismo e os poderosos, à mesa do café!), odeiam quem lhes questione o discurso velho, quem lhes denuncie a cumplicidade com o sistema.
No mundo dos blogues esta tendência agrava-se por ser frequente o seu exercício por cobardes e bandidos sem escrúpulos. Como é fácil criar blogues anónimos, quem quiser atacar incógnito tem a vida facilitada. Tantos anos depois de Abril é penoso constatar este exercício dos contumazes invertebrados. Mas é necessário, para que o aparente não substitua o essencial.
A luta continua!

2 comentários:

GR disse...

TV, qualquer canal dessa caixa que poder-se-ia chamar,” Branqueador” ou “Silenciador do divergente”! Neste momento, não só menosprezam quem pensa diferente, como interrompem de imediato, alguém que siga um raciocínio que “eles” não aprovam!
Depois há os branqueamentos que, ainda hoje assistimos! Abjecto! Por coincidência só fala na “caixa” mágica, historiadores que há vinte anos não eram chamados a intervir (!), hoje fartam-se de tagarelar, o OMO, não lavar tão branco! Vergonhoso!
Trinta e dois anos tem a nossa Revolução, está tão débil!
Não admito ter que ouvir que Marcelo C., tudo fez para mudar a situação! Sofria com a guerra, não foi seguidor de Salazar, tudo fazia para o bem-estar do povo! Morreu triste! Não aceitou o 25 de Abril, desde aí foi um homem triste e apagado! Pobre coitado!
Desde que tomou o posse 1968 (Marcelo Caetano), quantas pessoas mandou matar, prender, torturar? Organizou a mocidade portuguesa (juventude hitleriana) alterou siglas, de PIDE para DGS, da União Nacional para Acção Nacional Popular! Mandou prender e espancar estudantes, na Crise Académica 69. Foi essa a mudança? A Guerra que “tanto o afligia” continuava, continuou, com milhares de jovens estropiados, mortos e afectados!
Francamente…Os jornais, a TV, branquearam o nome de um facínora, com cara de virgem cínica. OBSCENOS!
Depois, temos os blogs!
Se por um lado trouxe uma lufada democrática no debate de ideias, por outro lado, deu força aos cobardes que, não tendo a coragem de dar a cara se escondem atrás de uma “rótulo” descarregando a sua ira maldosa, por vezes até perigosa! Rabiscam vidas com nomes, especulam, forjam histórias! Esses são os miseráveis, deambulam escondidos, assustando-se com a sua própria sombra vergonhosa, dão-se pelo nome de, ratazanas desprezíveis!

GR

Sérgio Ribeiro disse...

Nesta lenta retoma de hábitos - como o de ler blogs - este reencontro com Vale a Pena Lutar é estimulante. Obrigado, Pedro.
Teria muitos comentários, mas talvez tenham perdido oportunidade.
Trago-te, só, um grande abraço, e a expectativa de termos, hoje, um debate, em Ourém, "à nossa maneira" e não à maneira... deles.
Até já!