sexta-feira, 9 de março de 2007

SENTIMENTAL

Ponho-me a escrever teu nome
com letras de macarrão.
No prato, a sopa esfria, cheia de escamas
e debruçadas na mesa todos completam
esse romântico trabalho.

Desgraçadamente falta uma letra,
uma letra somente
para acabar teu nome!

- Está sonhando? Olhe que a sopa esfria!

Eu estava sonhando...
E há em todas as consciências um cartaz amarelo:
"Neste país é proibido sonhar."


Carlos Drummond de Andrade

3 comentários:

GR disse...

Lindíssimo o poema. É Carlos Drummond!
Mas é também a tua sensibilidade Pedro.
Fazes-nos sonhar quando, quase se esgotam os sonhos e crescem os pesadelos.
Teimosamente por muito que custe, ninguém nos pode roubar os sonhos.
Eu junto aos sonhos a memória, matizo com momentos felizes, nunca me faltam as caras, nem o abraço, nem o sorriso, nem as letras multicor para fazer os nomes que dentro de mim, sempre me irão acompanhar!

Nenhum cartaz amarelo me fará deixar de sonhar!
Perdemos coisas que são só nossas e jamais as podemos abraçar,
roubam-nos o que nos custou a conquistar,
tiram-nos o sorriso, modificam as formas,
Mas fique a Vontade de Sonhar!

Um grande bj,

GR

Victor Nogueira disse...

Eles não sabem que o sonho
é uma constante da vida
tão concreta e definida
como outra coisa qualquer,
(...)
Eles não sabem, nem sonham,
que o sonho comanda a vida.
Que sempre que um homem sonha
o mundo pula e avança
como bola colorida
entre a mãos de uma criança.

(António Gedeão) PEDRA FILOSOFAL

AZULI disse...

Por isso é que eu não abdico (http://naoabdico.blogspot.com).
BJ
ANA