segunda-feira, 25 de julho de 2005

Prenda do Carlucci

10 comentários:

SENIORES DAMAIA disse...

Ai ai.

António disse...

Tudo em família.

Anónimo disse...

isto anda tudo ligado....

Itelvino Rodriguez disse...

MANIFESTO CONTRA O TGV E O AEROPORTO DA OTA

Portugal vive hoje uma das piores crises económicas dos últimos 30 anos! A economia está a recuar e a taxa de desemprego oficial (7.5%) esconde ainda, muitos mais trabalhadores no desemprego!(550mil) As fábricas, deslocalizam-se impunemente para países onde a mão de obra é mais barata e os trabalhadores portugueses, defronte das opções restantes (fome ou escravidão assalariada), emigram também eles em busca de melhores condições de vida!
Mas aqui há responsabilidades atribuídas! Os sucessivos governos PS, PSD e também CDS/PP tem culpas no cartório! As erradas opções governamentativas que se tomaram ao longo dos anos, contribuíram largamente para a precarização do trabalho e a destruição do sistema produtivo nacional! Em prol e ordem das directivas europeias, cada vez produzimos menos e cada vez mais a riqueza do nosso país decai!
Contrariando todas as expectativas, nas quais declinavam a hipótese deste conselho de ministros ser menos eficiente e produtivo que o anterior. Iniciou o mandato, abriu a desgraça! O governo de Sócrates, avançou desde logo com o aumento do IVA quebrando assim uma promessa eleitoral. Não revogou o código de trabalho (medida ansiosamente esperada) e ainda retirou inúmeros direitos à função pública. Direitos estes, conquistados com muitas lutas e que serviam de referência para futuras metas do sistema privado!
Noutro tom, mas com o mesmo objectivo, Sócrates apresentou a nova "teoria da tanga", reformulada e em diversos actos. Continuando a obsessiva fixação pelo défice, apelou ao povo português, para uma vez mais "apertar o cinto e compreender a situação”: a grave crise que o país está a atravessar!
E quando todo o discurso estava assente na máxima: "É preciso reduzir a receita e aumentar a produtividade", eis que é apresentado o plano prioritário de investimentos, onde figuram estes dois projectos megalómanos:
- TGV
- Aeroporto da OTA
Não se trata de um investimento na produção, inovação ou no combate ao desemprego! São dois projectos ligados aos transportes, de milhares de milhões de euros, completamente dispensáveis em qualquer altura, ainda mais em tempo de crise!

Protesta contra esta hipocrisia!

Apela à defesa do sistema produtivo nacional!

Luta por mais direitos sociais!

SUBSCREVE ESTE MANIFESTO!

http://contratgveota.pt.vu

Alte Pinho disse...

O PEIDO DA VELHA RAPOSA

A velha raposa anunciou a intenção de regressar a Belém. Foi assim como uma espécie de peido cívico espetado à pasmaceira estival. Logo, em catadupa, inúmeros analistas, politólogos e democratas dos sete costados, começaram a passar-lhe a mão no pelo, lustrando a vaidade do "pai da democracia"...

Foi como uma espécie de "O regresso de D. Sebastião, parte II". A Pátria inteira (por inteira entenda-se o lodaçal onde chafurdam os eleitos das prebendas e dos tachos) deu graças ao Altíssimo por tão iluminada alimária. Finalmente, tínhamos candidato!?

Não sei porquê (!?), olhei para a velha raposa que me espreitava do ecrâ da televisão e senti um nojo, um vómito, uma incomodidade epidérmica que sempre me ocorre quando, nas feiras desta vida, me deparo com vendedores de banha da cobra. E pensei para os meus botões: um sapito de vez em quando, ainda vá que não vá, agora raposas velhas e fora de estação é que não!

Nem raposas, nem cavacas de Boliqueime!

BMonteiro disse...

Leituras de Verão:
((Vale mesmo a pena?))

“DO EMBUSTE DA OTA AO CRIME DA OTA”
DN/Negócios (1Ago), Arménio Matias (Presidente da Adfer)
(...)
“Da comparação das quatro opções consideradas, conclui-se”:
a) Da análise global de um conjunto de aspectos objectivos, a melhor opção é Montijo B e a pior a Ota;
b) No aspecto operacional a melhor opção é o Rio Frio a e a pior a Ota;
c) Na perspectiva da engenharia a melhor é Montijo B e a pior a Ota;
d) No aspecto ambiental a melhor é Rio Frio e a pior Montijo A;
e) Na perspectiva da acessibilidade a melhor é o Montijo A e B e a pior Rio Frio *;
f) No aspecto do esforço financeiro nas infra-estruturas e da própria TAP a melhor é Montijo B e a pior a Ota;
g) Na perspectiva da operação simultânea com a Portela e dos investimentos inerentes a melhor solução é o Montijo B e a pior a Ota.
(...)
Estas conclusões da ANA de 1944 são esmagadoras para a decisão do governo, em 1988, que, com base no risco de colisão com aves, conduziu à precipitada escolha da Ota.
(...)

PS: No tempo em que os animais falavam e havia em Portugal planeamento estratégico/planos de fomento, concluiu-se que o NAL iria ser em Rio Frio (Década de sessenta, século XX).
* Presumo que não contando ainda com a ponte Vasco da Gama.
Comentários para quê? O Independente de sexta 5Ago ajuda a entender a fixação do senhor que anda a fazer de ministro das OP.
A haver alguém para por ordem nisto, teria de ser o PR do meu País. Será?
Conto com a compreensão do autor e do DN. Trata-se apenas do «interesse nacional».

GR disse...

O País está a arder!
Mas...

NÂO HÁ DINHEIRO!

Nem para o combate a incêndios,
Nem para os funcionários públicos, alguns com ordenados de miséria,
Nem para Hospitais, passando estes vergonhosamente para o sector privado,
Nem para o aumento das parcas reformas.
E tantas outras coisa!

MAS HÁ DINHEIRO!

Para o TGV,
Para o novo aeroporto OTA,
Para reformas milionárias a ex-ministros,
Para aluguer de aviões franceses e marroquinos.

HÁ DINHEIRO!

Para o 1ºMinistro ir com a família ao Quénia,gastando milhares de contos do contribuinte!
Como é possível, um Primeiro-ministro saber que Portugal está arder e sair do país?
Como é possível, gozar as belas paisagens de África, quando os portugueses choram e desesperam, ao verem a destruição de casas, animais, florestas, bombeiros feridos, cansados e incapazes de vencerem o fogo!
Um Primeiro-ministro, que tem coragem de estar a par da situação de um país em chamas e ir com a família para o Quénia, só tem um caminho, a DEMISSÂO!

GR

Anónimo disse...

Masi progressões na carreira, masi reformas a 100%, tudo a conta do Zé

Dassse
Vão trabalhar

GR disse...

Caro Anonymos,

O seu maior problema, é mesmo os funcionários públicos!
É pena!
O meu, o nosso, neste momento é mesmo os incêndios, que há várias semanas vão destruindo Portugal e muitas famílias portuguesas!
Ninguém pode ficar indiferente a esta Tragédia Nacional!

Só mesmo o nosso 1º Ministro!

Quantos milhares e milhares de €, estaremos nós a pagar, a empresas privadas, no aluguer de aviões preparados para o combate a fogos?
Num telejornal, alertava-se que há pilotos da Força Aérea, com competências para o combate a incêndios que não saem dos quartéis, por não serem chamados.
Dizendo também que foram comprados novos helicópteros, para a FAP, sem estarem adaptados para incêndios.
Quem são os incendiários?
Uns dizem que são os madeireiros, outros falam na vingança dos caçadores, que não querem reservas de caça associativa, sendo por o regime livre, outros os pastores, para que na primavera nasça vegetação para os rebanhos, outros ainda, o negócio do aluguer dos meios aéreos!

O País está a arder!

Mas a sua preocupação, é o não aumento das reformas!

Já alguma vez se preocupou em questionar, porque razão o Governo;
- não assume directamente o combate aéreo aos incêndios!
- não manda forças militares para as nossas florestas, em acções de vigilância durante o verão!
- não proíbe a construção em zona ardida!
- não agrava as penas para os infractores, punindo fortemente o crime de fogo posto!

António Costa disse numa sala fresca e bastante calma:
“ A falta de meios não é uma questão central. A questão central é arregaçarmos as mangas e de forma organizada podermos actuar no terreno”.

O Ministro, não se apresentava sujo, transpirado, desesperado, chorando pela casa que lhe ardeu, pelos animais carbonizados, pela fábrica que já foi engolida pelo fogo, deixando dezenas de trabalhadores no desemprego, pela floresta que dia a dia vai desaparecendo no nosso país, já de si tão pobre!

Os Ministros deste Governo, que tiram férias Algarvias e jantam por 500€ por pessoa, como se viu na TV (Dr. Pinho – Ministro da Economia), não corre 48 horas ou 70 horas sem descansar, tentando que duma mangueira quase por milagre, brote um pouco de água.Como os heróicos Bombeiros!

O País arde! o Anonymos, inquietasse com o ordenado dos funcionários públicos, o Governo vira costa a uma população desesperada a um país quase sem futuro!

Só há mesmo uma solução, demissão para TODOS!
Ou
Uma viagem sem regresso para o Quénia!

GR

GR disse...

Não esquecendo:

Que nessa demissão ou viagem para o Quénia, sem regresso iria também o Dr. Mário Soares!

GR