segunda-feira, 16 de outubro de 2006

Contra a mentira!

Na sala do tribunal, os funcionários conluiados convertem-se em diligentes trabalhadores e esmerados pais de família. Tudo pelas crianças, garantem à juíza. No banco de trás, o arguido agita-se indignado. Revê os rostos familiares dos amigos desaparecidos. Evoca os relatos das atrocidades que sofreram. Tantas crianças destruídas, tanta dor e os canalhas persistem na desvergonha de negar a incúria, o abandono, a negligência.
Por um momento, recorda o exemplo de Francisco, personagem central de “O Caminho das Aves”, e apetece-lhe gritar, mesmo prejudicando a defesa, contra aqueles bandidos. Perante o seu olhar revoltado e triste, o filme passa célere: os bandidos protegem-se, como há vinte anos, uns aos outros. E souberam de tudo desde o início…
Apetece-lhe gritar. Mas o olhar terno da magistrada mitiga-lhe a raiva.
- Quer falar? – pergunta-lhe compreensiva. Que sim, responde aliviado. E fala, fala muito. Depois, olhando sempre nos olhos a juíza, senta-se, reconfortado.

4 comentários:

GR disse...

Até quando!
A opressão das palavras, o grito mudo e dilacerado das vítimas que os devassos continuam a ouvir,outros fingem sentir, o tempo que passa, o cansaço que espreita, a dor escondida, vidas precocemente destruídas.
Como respeito, todas estas Vítimas!
Abomino, todos aqueles que esquartejaram a felicidade tão frágil, destas crianças e jovens.

Pedro,
O teu texto é tão sentido, uma descrição magnífica que nos faz doer!
“O Caminho das Aves”, exemplo de grande sensibilidade. Belíssimo livro que nos ensina a importância da amizade, da luta (tão difícil) e da solidariedade. Valores que hoje, só as pessoas de bem, tentam defender!

Um bj, sempre solidário!
A Luta tem que Continuar!

GR

Maria disse...

Pedro,
Obrigada por este texto. Agora vou limpar a lágrima que teima em rolar-me na cara...

Hugo disse...

...VALE A PENA LUTAR!

PODE DEMORAR ANOS MAS A VERDADE AO DE CIMA VIRÁ!

(...a revolta é grande que as palavras são simples adjectivos...)

ABRAÇO SOLIDÁRIO!

Pedro Namora disse...

Obrigado queridos amigos, por todo o apoio. A fase actual, por que passo eu e outros que assumiram a defesa das vítimas, é a da presença sistemática nos tribunais. Os escroques finjem-se ofendidos por alegadas difamações e como têm muito dinheiro, atacam desta forma.
Mas talvez a estratégia que adoptaram lhes saia furada. Como noutros tempos, também nos defendemos acusando. Com a verdade.
A luta continua!