segunda-feira, 4 de dezembro de 2006

Os dois "democratas"

Mário Ramires escreve no "SOL". Maria João Avillez tem um programa na "SIC Notícias". Em comum, alimenta-os um anticomunismo cavernícola. Ramires, sem saber uma linha de Direito Constitucional decreta , na edição deste fim-de-semana do jornal que se diferencia do "Expresso" pelo saco, que os estatutos do PCP são inconstitucionais. Fá-lo numa linguagem acintosa, preparando o terreno para o que congéneres seus fizeram na República Checa: a ilegalização dos comunistas.
Maria João Avillez convidou três fascistas ressabiados para o seu programa. E foi vê-la, diligente e zelosa, completamente entusiasmada com o discurso gabarola dos três apaniguados de hitler, Mussolini e Salazar, que peroraram senis sobre a ameaça comunista após a Revolução de Abril.
Não sei se os dois se concertaram, mas acabaram por confluir na ignomínia. Podiam, contudo ser originais: antes deles, centenas de escroques similares obraram o mesmíssimo guião e o resultado está à vista: apesar de todas as dificuldades, os comunistas portugueses resistem e continuam a luta por uma sociedade diferente.

4 comentários:

a.castro disse...

Absolutamente de acordo, Pedro. Acabo de jantar e assisti ao programa da M. J. Avillez com seus convidados. Achei "nojento"! Avillez procura "dissimular" mas não engana os mais atentos. Quando ela convida, num suposto critério de "igualdade", personalidades das mais diversas áreas políticas ou culturais, torna-se claro que a preferência dela é sempre pelos poderosos e fascistas.
Um exemplo: se entrevista o Sec. Geral da CGTP ou o Jerónimo de Sousa, ela termina dizendo "gostei de os ter cá". Quando se trata dos poderosos e fascistas ressabiados, como foi o caso de hoje, ela termina dizendo "gostei muito, muito, muito de os ter cá".
Abraço!

Nota: A minha actual casa não é o blogspot, mas sim o WordPress. Peço-te pois o favor de alterar o meu link no teu blog.

GR disse...

Não vi o nojento programa contudo,
o anticomunismo lentamente vai estendendo as garras, monstro sedento de sangue, dor e ódio. Este novo fascismo tem o apoio de alguns órgãos de comunicação social, de jornalistas e de algumas instituições que durante vários anos, hipocritamente tentaram enganar, fazendo-se passar por democratas. Espalhando o medo e a mentira!
Hoje, mais do que nunca nestes 32 anos após a Revolução dos Cravos, Abril está perigosamente distante. Porém não esquecido! Mesmo que o PS, tudo faça para esquecermos, ignorarmos Abril, a Constituição e a História da Resistência!

Porém, há casos evidentes da prepotência fascista, também nas escolas.
No falecimento do camarada Álvaro, foi oficialmente decretado luto oficial, daí a Bandeira Nacional ter estado a meia haste, em todos os edifícios e instituições do Estado.
Numa escola do concelho de Ovar, o conselho executivo achou por bem não colocar a bandeira a meia haste, em virtude de não reconhecer ao nosso querido camarada Álvaro Cunhal, comunista, político, intelectual e lutador pela Liberdade sem igual, homem merecedor de tal determinação, luto oficial! Houve algumas pessoas que se insurgiram, pedindo para colocarem a bandeira, como em todas as instituições de Estado, de nada valeu! Depois de grandes discussões, de telefonemas para o ministério da educação, às 18 horas antes de fecharem a escola, colocaram a bandeira! Quando já não estava ninguém!
Mais recentemente na mesma escola, uma encarregada de educação (mãe) de uma aluna foi chamada à escola pelo director de turma, acusando a filha de distribuir propaganda comunista! Mais tarde, a aluna foi chamada ao conselho executivo tendo sido submetida a um interrogatório, durante horas: “Quem mais pertencia à Juventude Comunista, naquela escola”, “Que tipo de desempenho tinha ela”, “Quem a levou e quem a própria já tinha levado, para esta organização”. Foi pressionada para dizer nomes!
A jovem Ana, é da Juventude Comunista, comportou-se com grande dignidade e maturidade política, perante esta atitude pidesca!
A Ana (14 anos) não falou! Não denunciou!
A jovem comunista actuou resistentemente como muitos nossos camaradas no tempo do fascismo, Não Denunciou!
Na opinião da camarada Ana, esta situação veio reforçar a vontade de lutar, tendo passado a Organização de 2 para 10 camaradas em dois meses, (a JCP de Ovar)!

Começa haver muitos exemplos de atitudes de prepotência fascista!
«…apesar de todas as dificuldades, os comunistas portugueses resistem e continuam a luta por uma sociedade diferente».
A Luta Continua!

Pedro,
Um forte bj,

GR

maria disse...

É vergonhoso... mas o q esperar "desta" comunicação social ao serviço do grande capital?

maria disse...

É vergonhoso... mas o q esperar "desta" comunicação social ao serviço do grande capital?