quarta-feira, 24 de agosto de 2005

Portugal agrilhoado

O Diário de Notícias de hoje anuncia o simulacro de debate entre Isaltino, Teresa e Emanuel, assegurando aos leitores que a conversa é entre os candidatos à Câmara de Oeiras. É mentira: despudoradamente, a SIC Notícias recusou convidar o candidato da CDU. Logo à noite, muitos serão os que em protesto se vão juntar à porta da estação de Carnaxide. Entretanto, por considerar que nos ajuda a entender a censura que nos aprisiona, aqui deixo um texto do Dr. José António Barreiros. DN de 29/10/04
E depois do adeus

"Circunstâncias de alinhamento gráfico fazem com que eu compartilhe esta página com dois membros da Administração deste jornal. Ambos convergiram numa decisão: afastar o director. Um deles anunciou-o ao País através de uma televisão, da qual é comentador. Entretanto, uma senhora que, afinal, eles já haviam convidado para ser a próxima directora, veio publicamente dizer que não existiam condições para fazer deste jornal um diário «de referência, isenção e aceitação pública». Chegadas as coisas a este ponto, compreendam os leitores que eu saia deste lugar. É patente o que está actualmente em causa na comunicação social portuguesa: o domínio dos media pelo grande capital, a entente cordiale entre esse grande capital e o actual Governo. Poucas serão as excepções.

A imprensa deixou de ser um problema de direito constitucional à liberdade de expressão, passou a ser um problema de direito comercial à distribuição de dividendos. Num quadro destes, eu corro o risco de me transformar na demonstração de que as coisas não são tanto assim quanto parecem. Enquanto aqui estive nunca sofri a mais pequena sugestão ou limitação de quem quer que fosse; não quero é continuar neste ambiente de degradação. Ao público em geral há duas coisas que já não escapam. Primeiro, em Portugal está a instalar-se um clima de medo; não o medo antigo de se ser preso por um delito de opinião, mas um medo moderno, nascido na zona dos interesses, do que se ganha e do que se perde. A hipocrisia, em Portugal, passou a ser a forma de os fracos sobreviverem, a velhacaria um modo de os fortes dominarem.

Segundo, em Portugal a vida política vive na mentira e na desconfiança: ninguém diz totalmente a verdade, ninguém acredita minimamente no que se diz.
É evidente que é um problema de liberdade o que está em causa, um duplo problema de liberdade: é que sem liberdade de empresa, não há liberdade de imprensa. Ora a concentração capitalista na comunicação social e a sua aliança com o poder político, num só golpe, geraram a miséria a que assistimos. Cada um que vai à quase moribunda Alta Autoridade para a Comunicação Social é mais um rol de ignomínias que vem ao de cima. Começa a perceber-se o bastidor do espectáculo. Um destes dias os leitores, para estarem capazmente informados, talvez tenham, não de comprar um jornal, mas sim de comprarem o próprio jornal que o publica. Ser jornalista é hoje recolher notícias que outros embrulham no meio da publicidade e da propaganda. Honrados profissionais vivem hoje essa agonia.

Sem ser jornalista, a minha vida está intimamente ligada a escrever nos jornais. O cheiro da tinta de imprensa ainda é para mim um excelente afrodisíaco. Antes do 25 de Abril, com 19 anos, já estava no Comércio do Funchal, no República e no Notícias da Amadora. Talvez, por isso, seja insuspeito para dizer com muita mágoa: pobres coronéis do «lápis azul» que, no antigo regime, a troco de uma magra avença, canhestros e ridículos, tentavam servir um regime, «cortando a raiz ao pensamento».

Comparado com o que se passa hoje, era um mundo artesanal. É que, então, ainda tínhamos do lado das redacções alguém que, por meio de uns bons berros, em português vernáculo, fazia a notícia passar. Mutilada, esfrangalhada, às vezes quase ilegível, enfim, a notícia passava, e os leitores, habituados a ler nas entrelinhas, percebiam-na. Hoje já quase não há quem dê berros. Numa só coisa estamos iguais: os leitores começam a saber ler nas entrelinhas.
Obrigado a quem me leu, obrigado a quem permitiu que aqui escrevesse. Durante semanas escrevi gratuitamente, espero não ter escrito em vão."
DN de 29/10/2004

15 comentários:

GR disse...

Não tive a oportunidade de ter lido este extraordinário texto, tão actual.
O Dr. José António Barreiros, tem paixão pela escrita e isso verifica-se nos blogs onde escreve e são muitos! Alguns temáticos, outros texto livre - crónicas.

A Liberdade de imprensa em Portugal está há já alguns anos, muito preocupante.

Hoje, os jornalistas encaram a informação, segundo os parâmetros do lucro!
Não critico todos os jornalistas (aliás alguns trabalham com grande mágoa), mas as empresas para onde trabalham, exigem que a função do jornalismo de hoje, não seja de função social. O domínio do jornalismo e da informação está a ficar cada vez mais subordinado aos interesses económicos patronais, em função do Lucro!
O jornalismo de hoje é correia de transmissão do poder político e económico.
Senão vejamos os grupos económicos, que administram os grandes jornais e consequentemente a vertente política a que pertencem.

No que respeita ao jornalismo televisivo, é nojento!
A falta de isenção que existe com alguns partidos, nomeadamente o PCP e em épocas eleitorais, faz que a prepotência, o sectarismo se transforme na mais vil censura.

Os canais televisivos, uns mais que outros, mas todos boicotam as filmagens feitas pelos jornalistas enviados, a iniciativas da CDU e PCP, depois de filmarem horas dessas iniciativas, não as podem transmitir porque as "chefias" não autorizam!

Vivemos tempos muito conturbados! Os órgãos de comunicação social ajudam para a estupidificação da sociedade, com a pobreza dos seus programas e análises políticas. Comentadores de linhas de pensamento neoliberais, ajudam a confundir a mente de quem os ouve, já tão perturbadas devido à péssima situação económica social que o país atravessa.
O cidadão hoje mais que nunca, terá que estar consciente, exigente e reivindicativo!

Tenho pena de não poder estar em Carnaxide!
Porém o meu telefone funciona e durante o programa eu e muitos outros, estaremos a repudiar mais uma vez a censura feita à CDU.

GR

GR disse...

Pedro,

Permita-me entrar novamente, para poder dizer que a SIC, não só faz uma política antidemocrática, como também os seus jornalistas o são!

Então não é que telefonei (para além do e-mail enviado) reclamando o direito à indignação, pelo facto da SIC não deixar, proibir, censurar, o debate com a CDU, (do outro lado dalinha)disseram-me que "não é censura mas critério jornalístico!
Iremos esclarecer durante o debate"! (É mentira, não justificaram)!
Continuando eu a reclamação, (quase caí da cadeira) quando ele muito zangado me diz: “Não veio hoje ao debate porque para a semana, vai dar muito tempo de antena da Festa do Avante! Festa essa que eu até nem gosto, mas tenho que ir! E Festa do Avante, PCP e CDU, é tudo a mesma coisa!
Não temos oportunidade de dar uma Festa dos outrospartidos"!

Francamente, o que tem a Festa do Avante e o debate dos candidatos de Oeiras em comum?
Não quero saber se o dito jornalista (não me lembro o nome), gosta ou não da Festa, não perguntei a sua opinião!
Se os outros partidos, não fazem assim uma Festa, é porque não têm capaciade!
Gostaria que o jornalista pudesse, frequentar um curso político intensivo, pois os argumentos, para além de ridículos, são de uma ignorância atroz!
E é esta a comunicação que temos!
Estou revoltada!
Durante o debate e através do Dr. Isaltino Morais insurgiu-se, pelo facto da CDU não ter sido convidada,por essa razão não estava presente. Daí estarem lá fora, uma concentração de protesto!
Pelo menos disse uma coisa verdadeira!

GR

Alte Pinho disse...

É o centrão político em acção. É a choldra em que está transformado o País. É a absoluta perversão dos valores democráticos, camuflada em supostos "critérios jornalísticos" de escribas a soldo!

É a santa aliança reaccionária e imobilista entre o P"S" e o P"SD"

Carlos Alberto disse...

O próximo debate sobre autarquicas em Oeiras, com todos os candidatos, será patricinado por esse arauto da isenção jornalistica chamado AVANTE.

Pedro Namora disse...

Este Carlos Alberto deixou de ser tão cobarde (lá conseguimos que assumisse parcialmente o nome que tem e não prestígia), mas continua alarvemente anticomunista. Perante uma denúncia concreta de censura - exclusão do candidato comunista de um debate apresentado publicamente como decorrendo entre todos os candidatos a uma autarquia - prefere esconder a cabecinha na areia, insultando um jornal que nunca se disse isento, que é de um partido e sempre tomou partido. Mesmo quando os amigos do carlinhos andavam de rabinho escondido entre as pernas, porque existia a pide. E gente como ele só estrebucha quando sabe que não há a menor possibilidade de correr qualquer risco.

Carlos Alberto disse...

cobarde
alarve
São cumprimentos que retribuo.

Modere a linguagem, a este nivel não descerei, nunca.
Está a ver como é fácil fazer de vitima...

Sobre Autárquicas, sabiam quem é o "parceiro de coligação" da Camara do Porto?
A CDU de Rui Sá, governa com PSD+PP+CDU. Pois para os puristas e arautos do espirito da dita esquerda comunista, o PC apoia uma camara de coligação de direita (PSD+PP). Olha se fossem outros a apoiar o Rui Rio, o que estes puristas da luta revolucionária (reacionária)não diriam???

GR disse...

Carlos Alberto,é mesmo do Norte?
Que vergonha!
Pobres dos Sportinguistas, terem um fulano assim!!!
Até no clube é traidor!!!


Então explique-se de vez!
Quem não for Presidente da Câmara, não poder ser vereador! Ou só poderá ser se for do mesmo partido!
Não queria mais nada!!!

Rui Sá Vereador do Ambiente da CMP, tem trabalhado arduamente. Naturalmente com a equipa da CDU!
O que tem feito? Tanta coisa...
Sem querer pensar muito,lembro:
Rui Sá, todos os fins d semana faz contactos directos com as populações do Porto!
Rui Sá, propôs um Grupo de Trabalho, aquando do túnel de Ceuta, dando soluções para o problema!E grande problema!
Rui Sá, na requalificação da Av. Dos Aliados, vota contra a proposta PP/PSD, para que seja aprovada a proposta do Álvaro Siza!
Rui Sá, é contra a expulsão dos moradores na Zona Histórica (lembra-se da polémica dada)!
Rui Sá, insurge-se contra os cheques desaparecidos! (não vale a pena explicar, pois sabe tão bem como eu ao que me estou a referir)!
Rui Sá, tem lutado, para que haja habitação condigna para os mais desfavorecidos!
Rui Sá, luta para que não seja encerrado o Jornal “O Comércio do Porto”!
Rui Sá, esteve ao lado dos comerciantes do Bolhão!
Rui Sá, tem as 17 propostas de candidato, é só ler!

Mas afinal pensa que são todos vendidos e traidores?
Não se está a ver ao espelho!!!
Quando quiser criticar o Rui Sá, primeiro,esclareça-se! Depois cala-se pois nada tem a apontar!


Mas afinal pensa que são todos vendidos e traidores?
Não se está a ver ao espelho!!!
Quando quiser criticar o Rui Sá, primeiro, esclareça-se! Depois cale-se!Pois não tem razão!

Então o Jornal Avante, Órgão Central do PCP não é isento?
Escreve tudo que o PCP quer que se escreva! Pois se ele é do PCP!
È mais que isento!E escreve VERDADES! Sabe porquê? Porque tem muito respeito pelo POVO!

Não me acredito que no Norte, exista reaccionários tão primários!
Para além de ser um grande artolas!

GR

Carlos Alberto disse...

O Comunismo na China

Um chinês trabalha 12 a 14 horas por dia, sete dias por semana, sem Segurança Social e ganha um salário médio de 45 euros, dos quais são descontados 23 para alojamento e alimentação.
China, economia capitalista, política comunista.

a.castro disse...

Caro Pedro,

Ainda bem que vim aqui! Eu não tenho, nem terei, caixa de comentários...
Na minha boa fé, preparava-me, a partir daqui, para ir ao lado do meu blog fazer uma coisa que, não tivesse eu continuado a ler, corresponderia a um duplo erro!
Resta-me:
a) uma dúvida;
b) os vários comentários do "gr" levam à página do profile e nem aí abrem qualquer blog! Deve ser um lapso que só o "gr" poderá explicar.
Convido o Pedro a ler o meu post "Os quatro amigos", de 15.08.2005. Tenho razão!
Seria estultícia da minha parte dizer que só quero ler blogs do meu inteiro gosto. Não. Também gosto de ler blogs que tenham outras ideias, mas nunca os que são "anti-eu", porque eu não sou "anti-eles"; tem que se gerir esta problemática de maneira a não fazer "disto" uma guerra e viver stressado.

José Maria Martins disse...

Caro Dr. Pedro Namora

A censura que a SIC fez , não permitindo a participação ,ou não convidando o candidato da CDU a Oeiras, é inadmissível.

Excluir do debate sectores da sociedade portuguesa,excluir o PCP/CDU impedindo que os portugueses oiçam as sua propostas, é anti-democrático.

E é ilegal. A AACS deve tomar posição.

As eleições em Oeiras não são disputadas apenas pelo PSD/Isaltino/PS.

Um abraço e parabéns pelo post.

GR disse...

Caro ac,

Começo por explicar que só fiz o blog, para poder entrar neste!
Não pretendo ter nenhum Blog, depois de haver tantos e tão bons!
Não falando dos maus! É necessário ter-se uma grande “bagagem”, uma escrita de estilo e muita sensibilidade para se fazer um bom Blog! O Blog do Dr. Pedro Namora como já todos verificamos tem, tudo para que seja e é um excelente blog!
Infelizmente como não tenho nenhuma destas características, não tenho nenhum!

Fiquei admirada ao encontrar o Blog do ac!
É um dos que leio (há muito tempo), um Blog interessante, bem feito e actual!
Quanto à história “os quatro amigos” todos temos direito conforme a nossa consciência de irmos onde cremos, de pensarmos como quisermos e de fazer o que nos apetece!
Logo que não prejudiquemos nem choquemos ninguém, segundo os parâmetros da nossa sociedade!Não vivemos sozinhos!

E porque vivo numa cidadezinha muito pequena, não temos choques políticos!
Todos da direita à esquerda, nos respeitamos!E falamos muito!
Não pode é haver provocações primárias e muito menos insultos!
Há confrontos de ideias!Discussões profundas, sobre muitas questões!
Uma regra aplicada há mais de 30 anos!
E todos nós nos damos bem, com esta regra democrática!

GR

a.castro disse...

Cara gr,

1. Agradeço a explicação relativa ao facto do GUETIM não abrir qualquer blog;
2. Concordo, na geralidade, com o comentário da minha cara amiga;
3. "...Logo que não prejudiquemos nem choquemos ninguém..." - isto é o que a minha amiga diz no contexto dos "quatro amigos". Permita-me fazer uma precisão, ilustrada com um exemplo: eu sempre tive uma lista única de blogs; a única regra de inserção é a ordem alfabética. Durante uns 3 meses tinha na minha lista um blog que gostava de ler, embora percebendo que não era da minha tendência política. A determinada altura verifiquei que esse blog surgiu com o link do meu. Os links, nesse blog, estavam dispostos por categorias (taxa de luxo, 21%, 15%, com fiscalização tributária e, a mais baixa, 5%). O meu link estava na última categoria! Não lhe parece que este exemplo cabe na sua frase "logo que... não choquemos ninguém"? Eu acho que sim. Das duas uma: ou esse blog não inseria o meu link (porque achava que não havia empatia política suficiente) ou, a fazê-lo, deveria ter sido num plano de equidade e justiça, não humilhante ou chocante. Se esse blog não tivesse inserido o meu, nas condições descritas, eu teria continuado a lê-lo. Como cada um faz o que lhe apetece, a única resposta que pude dar foi eliminar esse blog (não podia continuar o velho princípio de "levar uma bofetada numa das faces da cara e oferecer a outra...").
4. "Não pode haver provocações primárias e muito menos insultos" - diz também a minha cara amiga. Interpreto a mensagem no sentido lato, não me respeita, estou absolutamente de acordo. Eu próprio terminei assim o meu anterior comentário:
"tem que se gerir esta problemática de maneira a não fazer disto uma guerra e viver stressado".

Paulo Miguel disse...

Este Carlos Alberto parece aquelas senhoras que, sem nada para fazer, começa a reparar em quem entra e sai do prédio onde mora e, sem conhecer nada das pessoas nem das suas vidas, eventa logo uma história adequada à figura de cada um que passa, e não contente com o poder estar a cometer uma grande injustiça com a ilusão que criou, começa loga a espalhar boatos sobre as pessoas que não conhece, sem ter qualquer problema em ofender as pessoas que tomou como alvo.

Alguém que se preocupa com a aparência em vez de se preocupar com o conteúdo.

Estou a ver o Carlos Alberto vestido de bata, com um lenço na cabeça e com o pano do pó a sair da algibeira e em bicos dos pés a espreitar pelo óculo da porta a ver quem passa nas escadas e logo a correr para o telefone para passar uma hora com a vizinha a falar sobre a "vida" do vizinho do 1º andar que ele, de facto, não conhece.

O Carlos Alberto está mais preocupado em dizer que o Rui Sá esteve como vereador num executivo de maioria PSD do que esclarecer as pessoas sobre o trabalho do Rui...porque sabe ele muito bem que não tem uma falha a apontar ao Rui nem ao seu trabalho.

É por estas e por outras e na sequência do texto do Pedro, que o povo Português dificilmente poderá analisar todas as opções que tem na escolha dos seus candidatos, há sempre um "Carlos Alberto" a envenenar com mentiras, seja ele na SIC, ou em outro local qulquer...http://tintafresca.blogs.sapo.pt - Paulo Miguel

Carlos Alberto disse...

Comunistas 'reabilitam' o mandato de Estaline
O Avante!, órgão central do PCP, "reabilitou" nas duas últimas semanas o dirigente comunista mais polémico de sempre. Após um longo período de silêncio, Estaline voltou a estar em foco no semanário comunista a propósito do 60.º aniversário do fim da II Guerra Mundial na Europa. O jornal dedicou mesmo uma notícia, na sua última edição, ao antigo ditador soviético sob o título "Estaline homenageado".

Nesta mesma edição, em artigo assinado pelo chefe de redacção do Avante!, destaca-se a "figura de Estaline", que "não pode ser isolada dos outros dirigentes" da União Soviética, "tal como o PCUS [Partido Comunista da União Soviética] não podia encontrar-se isolado da vontade dos milhões de soviéticos, comunistas ou não".
Leandro Martins, que é membro do Comité Central do PCP, vai mais longe "Estaline teve o seu papel na vitória ao lado do povo." O chefe de Redacção do Avante! não estranha, por isso, que na Rússia actual "voltem a aparecer cidades em que se dá o nome de Estaline a ruas".
O antigo ditador, responsável por milhões de mortos na extinta URSS, é qualificado de "revolucionário soviético" pelo chefe de Redacção do Avante!. Leandro Martins elogia o regime que vigorou em Moscovo entre 1917 e 1991. Na sua opinião, foi "a mais brilhante conquista da história da humanidade".

"Se Estaline teve o seu papel na vitória ao lado do povo, Gorbatchov teve o papel principal na derrota do socialismo, acompanhanado apenas por arrivistas e traidores de que se rodeou", escreve o chefe de Redacção do Avante!.

A "reabilitação" de Estaline teve início na edição de 5 de Maio do Avante!, que elogiava em manchete "a inteligência, coragem e determinação do Exército Vermelho, dirigido pelo PCUS" [de Estaline] na II Guerra Mundial. Nessa edição, num texto assinado por Luís Carapinha, dizia-se que o regime estalinista "salvou a Europa e o mundo do fascismo e abriu novos horizontes à luta de libertação dos povos".

Também nesse número do jornal comunista, Manuela Bernardino, membro da Comissão Política do PCP, destacava por sua vez o "contributo decisivo da URSS, do seu povo e do Exército Vermelho", em contraponto aos "compromissos, a conciliação e a traição da burguesia e dos seus governos que facilitaram o avanço do fascismo e o desencadeamento" da II Grande Guerra.

Estaline é ainda elogiado, no Avante! de 5 de Maio, por ter promovido a liberdade religiosa na URSS "A igreja ortodoxa mantinha abertos ao culto, nessa altura de grandes riscos e sacrifícios, 20 mil templos, 67 mosteiros, oito seminários, três academias teológicas e dispunha de 31 mil sacerdotes ordenados. Quanto à questão polémica de se saber se existia ou não, na URSS, liberdade religiosa, estes números podem falar por si", escreve Jorge Messias, habitual colaborador do jornal.

Pedro Namora disse...

O Carlos Alberto há-de ter tido, antes de Abril, a profissão de colaborador da Pide: não diz uma só coisa que seja verdade. Adultera, mistura, deturpa, engana, mistifica. Que asco. Incapaz de uma só ideia para debate, vem aos blogues dos outros escarrar falsidades, porque o dele está abandonado, ignorado, sem ninguém.