quarta-feira, 2 de julho de 2008

Nicolai Ostrovski

Acabei de reler um dos livros que mais marcou a minha adolescência: Assim Foi Temperado o Aço, de Nicolai Ostrovski. Escrito em 1930, quando o autor tinha 24 anos e estava praticamente cego, o livro mostra bem a têmpera dos comunistas que edificaram a URSS, sob condições terríveis, nomeadamente a invasão criminosa de 24 potências capitalistas que tudo fizeram para que a revolução fracassasse.
A tudo resistiram os comunistas, nomeadamente, os jovens. que perceberam que era no poder soviético que estava o futuro. Considero fundamental o exemplo de abnegação, heroísmo e resistência que Ostrovski encarnou sem um queixume, bem como a crença fundamentada no futuro socialista da humanidade.
Kortchaguine, personagem principal da epopeia, deu tudo, de forma desinteressada pelo ideal que abraçou. Ora essa determinação influenciou e continuará a determinar para a luta, sucessivas gerações de jovens, que identificam hoje no neoliberalismo a besta sanguinária a abater.
Foi muito bom ter relido o livro. Vou dedicar uma prateleira para o colocar ao lado do Francisco, do Caminho das Aves e de tantos outros heróis censurados pelo fascismo actual. Eles são a melhor demonstração de que os coveiros apressados se enganaram. O comunismo não só não morreu como está presente no coração de milhões de seres humanos em todo o mundo.
A luta continua, camarada Ostrovski e podes ter a certeza de que o teu sacrifício não foi em vão. Somos muitos milhões os que estamos dispostos a empunhar a honrada bandeira que nos legaram Marx, Engelx e Lénine.

5 comentários:

Chalana disse...

a impunidade esquerdista acabou! Agora vai ser a sério...

http://anti-trollurbano.blogspot.com

Fernando Samuel disse...

Para quantas «adolescências», ao longo de décadas, o Assim foi Temperado o Aço terá sido uma leitura impressiva? - e para quantas continuará a sê-lo?
Obrigado por teres relembrado esa obra magistral.
Um abraço amigo.

Funes, o memorioso disse...

Noto que na sua última frase não cita Estaline, verdadeiramente o homem que fez o Império que foi a URSS.

Maria disse...

É um dos livros que eu sei exactamente onde e quando o li, há muitos anos, quando era jovem.
E sei que o comecei a ler e só parei na última página. De um fôlego (com um intervalo para jantar), e foi por aí, noite fora...
É um livro que às vezes ofereço, porque é preciso merecer-se este livro...

Um abraço

GR disse...

“Assim Foi Temperado o Aço” há muito não o relia, voltei a faze-lo.
Um livro de coragem, determinação e dá-nos confiança para a luta.
“Caminho das Aves”, o melhor romance dos últimos tempos.

GR