quarta-feira, 11 de junho de 2008

A honra de ser comunista


Se alguém alertou, com verdade, para a situação actual foi o PCP. Cumprindo a sua missão, informou com coragem e desde o início, que a integração europeia - esta mesmo que agora sofremos - teria consequências desastrosas, designadamente, a destruição da base produtiva do país.
Na altura, os mários soares de ocasião, chamaram-nos pessimistas e anti-europeus. Se fossem dignos, pediriam agora desculpa. Em 2004, o PCP, pela voz desse grande intelectual revolucionário que se chama Miguel Urbano Rodrigues, previu a escalada brutal dos preços dos combustíveis. Chamaram-lhe catastrofista.

Não há, em matéria de coragem, coerência e honradez, partido que se assemelhe ao PCP. E eu, que neste ano cumpro 25 anos de militância no Partido, sinto-me profundamente orgulhoso. E vaidoso também. Porque contribuí, na medida das minhas possibilidades, para essa obra notável.


8 comentários:

O Viriato disse...

Até eu que estava nas antípodas do PCP não votarei em mais ninguém porque foi o PCP a única força política que corajosamente questionou o Governo (vidé sitio do Parlamento) sobre a discriminação que campeia nas forças armadas acerca da aplicabilidade do Estatuto do Trabalhador Estudante: ONDE A HIERARQUIA DO EXÉRCITO DE FORMA CORPORATIVA PREFERE PERSISTIR NO ERRO DO QUE EMENDÁ-LO, CORRIGI-LO, ADMITI-LO...!

a formiga disse...

Contra tantas "cabeças pensantes" não morremos... e continuamos com muita força para lutar, todos os dias.

Crixus disse...

Acho que todos (os militantes) temos razão em sentir uma grande honra e orgulho de pertencer e dar o nosso contributo a este grande colectivo partidario, ao partido do povo portugues, o PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS. Um abraço

GR disse...

Uma análise política lúcida e verdadeira.
Na realidade o PCP há 87 anos que Luta abnegadamente pelo bem-estar de todos os trabalhadores, luta pela Soberania Nacional, luta por um futuro melhor.
Durante 48 anos o PCP demonstrou heroicamente através dos seus militantes Resistentes a sua Luta intransigente, pela verdade e Liberdade.
O nosso querido camarada Miguel Urbano Rodrigues, sabe sempre do que fala. Como tão bem falou a semana passada, numa brilhante entrevista num canal de televisão.

Pedro,
25 anos é muito tempo, nesta luta onde nos deparamos com muitos retrocessos, muitas dificuldades, muito trabalho.
Mas também com muita alegria, vitórias, grandes amizades e tanta Solidariedade.
Parabéns camarada, que daqui a 25 anos continues com o orgulho, verticalidade e a coerência que te caracteriza, assim como ao nosso grandioso Partido – PCP.

Um bj (estamos muito orgulhosos de ti)

GR

MFerrer disse...

Ora deixem lá ver s epercebi:
Base produtiva do País?
Será deste onde vivemso?
É que é deste fazem o favor de aguardar umbocado para nos rirmos à vontade.
Daquelas fábricas do aperta-o-parafuso-e-cola- a biqueira-do-sapato?
Valha-vos um enxame de abelhas para acordarem desse sono em que vivem.
Então o bom eram aqueles meios ordenados pagos intermitentemente pelas "empresas" tão estimadas?
Tenham paciência mas retroactividades dessas só podem trazer mais miséria.
Duvido muito que esta pequena crítica seja ao menos publicada. Não é vosso costume aceitar o raciocínio dos outros. Preferem gente alinhada e em estado de torpor.
É como as tais fábricas onde o patrão não tem o 9º ano e os empregados também não sabem ler nem escrever.
É verdade, em Portugal.
MFerrer
http://homem-ao-mar.blogspot.com

Orlando Gonçalves disse...

Com orgulho que digo que também eu faço 25 anos que entrei para o PCP. Militei na JCP dos 13 anos de idade até aos 18 e depois inscrivi-me no partido. E o mais engraçado é que me lembro de ti e das nossas lutas na altura. Parabéns para o nosso partido e parabéns para nós que escolhemos o caminho certo. A luta continua.

Anónimo disse...

Claro que nao é com fabricas geridas por descendentes que ja nao teem so o nono ano até teem formacao universitaria que sao fechadas a troco de se ganhar mais na bolsa de valores nao tendo os mesmos administradores preocupacao nenhuma pelos empregados e fazendo dar voltas no caixao o avo que so tinha a 4 classe mas fez imperio com os trabalhadores e deu formacao universitaria aos netos.
pelo um portugal de esquerda pois nao ha melhor formacao que a experiencia vivida junta com uma actualisacao das novas tecnologias.
trabalhando podos por uma educacao e formacao igual nao importe o estatuto social.

abrc.

m.o

Sandra Ramos disse...

Pois também eu me orgulho de ser mais uma formiguinha militante!