sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

As crianças de Leningradsky


Esta madrugada, o canal Odisseia passou o documentário que dá título a este artigo. Tarde, como convém ao sossego das nossas consciências e aos propósitos de vigaristas, como José Milhazes, que da Rússia pós-soviética só dizem maravilhas. Dirigido e produzido por Hanna Polak e Andrzej Celinski, o documentário aborda o terrível quotidiano das crianças russas, evidenciando as mais de trinta mil que vivem em estações de metro e ruas de Moscovo.
Crianças, algumas ainda bebés, diariamente agredidas, abusadas sexualmente, sem comida, sem roupa, sem escola, sem família. Crianças órfãs de pais vivos, vítimas do monstruoso sistema capitalista, perseguidas brutalmente pelo regime, obrigadas a viver nas tubagens subterrâneas de água quente para poderem sobreviver ao frio de mais de 30 graus negativos.
 
Crianças viciadas em vodka, em cigarros e em cheirar cola. De contacto. A mesma cola que um polícia cobarde, um nazi de medvedev e putin despeja, a determinado momento do documentário - todo ele com imagens reais - sobre a cabeça e rosto de um menino.
Vivi na URSS. Em nenhum país do mundo as crianças eram tão respeitadas. Não havia uma só criança a viver na rua ou com fome. A rede de creches e jardins-de-infância abrangia todas as famílias, as escolas garantiam a igualdade de oportunidades e o acesso às universidades ou institutos, de acordo com as preferências e motivações de cada estudante.
Mas veio o bando do Gorbatchov, do Yeltsin e dos Roman Abramovitch e do grande país resta este retrato doloroso, este retorno ao tempo dos czares.
 
Dizem que o Natal está aí. Mas para os meninos da imensa Rússia acabou em 1991. 

1 comentário:

Rogerio Floripa disse...

Baixar o Documentário - As Crianças da Estação de Leningradsky - http://goo.gl/Gcuvj