segunda-feira, 21 de abril de 2008

Obrigado Mação e Oliveira do Douro

Em Mação e Oliveira do Douro, com o intervalo de uma semana, duas magníficas noites e outras tantas oportunidades de falar com centenas de pessoas sobre abusos sexuais e prevenção. É impressionante a adesão das populações aos debates que se promovem sobre estes temas. E marcante a solidariedade para com as vítimas da barbárie.
Tivéssemos nós um governo preocupado com estas questões e Portugal deixaria de ser um paraíso para pedófilos, cuja actividade predatória só pode ser desenvolvida onde as pessoas não conhecem a forma como agem e dissimulam os crimes que cometem.

8 comentários:

Maria disse...

Queria escrever tanto.... começava pelo petição, pelo número diminuto de assinaturas que a petição tem.
Mas sei que não devo escrever aqui um relatório.
Limito-me a dizer-te, Pedro, que o teu trabalho é meritório, que continua a ter o nosso apoio incondicional, mas que perdi a confiança na justiça deste país. Não digo mais para não te parecer (ainda mais) pessimista. Mas não acredito neles...

Um abraço, Abril (a nossa esperança) está aí...

GR disse...

O governo está preocupado em ocultar, não em elucidar os problemas da pedofilia.
O cidadão concorda com a Petição, mas o medo (tão igual ao de 24/4).
A Justiça… tão duvidosa é, a nossa Justiça!
Resta-nos o trabalho árduo e consequente de alguns que não desistem, como tu Pedro.
Resta-nos a nós população ouvir, transmitir e se possível fazer surgir (essas) iniciativas.
Parabéns Pedro,

GR

Mar Arável disse...

MEU CARO

AINDA BEM QUE NÃO TE VERGAS

À CANALHA

fotógrafa disse...

Hummm…fim de semana prolongado… sortudos que somos…rsrsrs
Divirtam-se e gozem uns ricos dias, com sol e calor…por mim, vou de certeza fazer tudo isso…e não só…rsrsrs
abraço

Dr. Assur disse...

Já agora. Esta noite ocorre a décima sétima alteração desde o início do ano, com apenas três no sentido da baixa e as restantes a representarem aumentos. "É uma especulação pura, porque mesmo que o barril de petróleo suba em dólares, os euros mantém-se os mesmos. Não há justificação nenhuma.

"O povo é sereno".

Curiosa disse...

A Petição em Prol das Crianças Vítimas de Crimes Sexuais FOI ENTREGUE

Ultrapassadas largamente as 4 000 assinaturas, a 3 de Janeiro remeteu-se carta ao Exmo. Presidente da República Portuguesa, na qual se solicitou uma audiência para a entrega da Petição.

Posto o tempo de espera, que não pode ser indefinido, as acções urgem.

Ainda sem a aguardada resposta da Presidência, a Petição com 13 072 assinaturas válidas no total (4 757 online e 8 315 manuscritas), foi entregue a 29 de Abril no Palácio de Belém, contra prova de recepção.

Agradecemos profundamente a TODOS os que de coração aberto se uniram nesta causa, contribuindo de diversas formas na sua divulgação e recolha de assinaturas.

Sem vós, não se teria chegado aqui. Bem-hajam!

fotógrafa disse...

Bom fds para ti,cheio de sol e calor…e tudo o que houver de melhor!
Abraço

Anónimo disse...

Caro Pedro,
Congratulo-me com a suatentativa de "abrir olhos" para os casos extremamente graves que referiu.
Uma questão:
Sendo as crianças filhas de pai e mãe e sendo a mãe a mais predisposta geneticamente para a protecção do que carrega em si durante nove meses cientificamente provado), que conselho daria a uma mãe que tem de educar o seu filho sozinha e alertá-lo para todos os perigos que nos rodeiam?
Que conselho daria a uma mãe que tentou dinamizar um grupo de mães-solteiras (donde que têm de ser pais e mães simultaneamente, donde, alertar duplamente os seus filhos para todos os perigos, donde preocupar-se duplamente e ao infinito com estas questões...) que, voluntariando-se para contar a terrível experiência que viveu, viu negado esse relato em espaço público?
Que regime é este de hipócrita e falsa democracia no qual, quem se predispõe a falar, é cortado de raiz?
Aconteceu. Desola-me. é a triste realidade dos inconformados radicais. Mas, como mulher, não esqueçamos nunca: a prevenção tb vem da família que é, cada vez mais, monoparental mas que o "regime" tenta negar, através de branqueamento de hipóteses de falar, de contar.
THE END